Temos uma ineficiência logística no setor de farmácia

Silvia Costanti

Bom momento para o varejo farmacêutico. Em 2021, as 26 maiores empresas do segmento que integram a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) registraram faturamento de R$ 67,5 bilhões, 16% a mais do que no ano anterior. E neste ano, de janeiro a setembro, a receita foi de R$ 58,8 bilhões, 17,4% maior do que no mesmo período do ano passado. São dois dos maiores avanços desde 2011, quando o crescimento foi de 19,4%. O volume de medicamentos e produtos vendidos pelos associados da Abrafarma corresponde a 50% de todo o mercado, mesmo com apenas 10% das 90 mil farmácias do País. Por que isso ocorre? Com a palavra Sergio Mena Barreto, CEO da Abrafarma, que também fala sobre os desafios do segmento, que segundo ele “está atrasado”.

DINHEIRO – A que se deve o bom momento do varejo farmacêutico?

SERGIO MENA BARRETO – Estamos colhendo frutos do que plantamos nos últimos anos. Passamos por muitas etapas. O último grande investimento foi na transformação digital, melhorar todos os processos de logística e entrega. São cerca de 90 mil farmácias no Brasil. A Abrafarma tem 9,3 mil, mas dispensa mais da metade de todos os produtos farmacêuticos, de higiene e beleza, para a saúde.

Por que isso acontece?

Temos uma grande ineficiência logística no Brasil. É um setor complexo. Depende do insumo que vem de fora, de um planejamento de produção bem feito. Os mercados americano e europeu têm um terceiro pagador pelo medicamento. O paciente não paga pelo remédio, quem paga é o seguro saúde ou o governo. Os EUA operam por PBMs [Pharmacy Benefit Management]. As empresas gerenciam para os planos de saúde os medicamentos e pagam para as farmácias por isso. A lógica é: manter o paciente tratado custa menos para o seguro saúde. É melhor do que uma internação. O sistema tem todos os dados, é um processo integrado.

Estamos longe disso ainda?

Muito longe. A PBM sabe quantas vidas estão sob seu guarda-chuva, quantas dessas são diabéticas, cardiopatas… Então têm previsibilidade da quantidade de medicamentos, quanto vai custar. Isso dá previsibilidade para a produção industrial e para a venda. No Brasil não temos esse terceiro pagador. O governo tem os programas de alta complexidade, o de HIV, o Farmácia Popular, que representa R$ 3 bilhões em um mercado de R$ 180 bilhões. É 1,6% do mercado, quase nada. Os outros 98,4% dependem do bolso do comprador.

Temos uma ineficiência logística no setor de farmácia

Não existe previsibilidade alguma aqui?

Existe. Mas os dados não são integrados como em outros países. Temos uma ineficiência logística. Nas farmácias independentes, de cada dez itens faltam cinco. É a ineficiência do mercado. Nas associadas da Abrafarma faltam 12%, porque investimos em sistema de logística própria. A RD [RaiaDrogasil], que é a maior rede de farmácia do Brasil, sozinha tem 11 centros de distribuição. O objetivo é minimizar a ineficiência.

Em relação aos dados, como compensar essa deficiência?

Identificando o cliente todas as vezes que ele vai à loja. Por isso o pedido do CPF na hora da compra. E aí tem uma grande lenda urbana, de que as farmácias dão os dados e as informações sobre a compra para os planos de saúde. Esses dados são ouro e não damos para ninguém. É para melhorar a previsibilidade, arrumar os estoques e a assertividade. Para reduzir aquela falta de produtos.

Como tem sido trabalhado esse processo de integração?

O setor de saúde no Brasil é fragmentado. Não temos prontuário único, como na Inglaterra. Por isso temos nossos próprios dados, com nossa própria expertise. Nossa relação com os fabricantes e com o sistema de saúde é desconectada.

E não há um movimento para conectar tudo isso?

Não. Nesse sentido o Brasil está muito atrasado. A Farmácia Popular foi criada no primeiro governo Lula [2003 a 2006], quando Humberto Costa era o ministro da Saúde e eu era do Conselho Nacional de Saúde. Eu dizia que já tínhamos 500 farmácias populares e era ruim, porque eram gerenciadas pelas prefeituras. Nunca tinha nada e custava caro para gerenciar. Eu dizia que só funcionaria quando a gente copiasse a Europa, com o governo dizendo o que a farmácia tem de vender, com um preço de referência, e o governo pagando no final do mês a farmácia. Esse programa era para ter avançado. Tinha a proposta de criar o cartão SUS Universal, que seria o embrião dessa integração. Mas nunca avançou. Hoje temos um número do CNS [Cartão Nacional de Saúde], mas até isso estar integrado a todo sistema vai chão ainda.

Você ainda está no conselho? Tem proximidade com o atual governo?

Não. No governo eleito pretendemos propor uma revisão da Farmácia Popular. Contratamos estudo no Insper que aponta algumas melhorias para ser mais assertivo, ser mais inteligente, coibir fraude, dar mais acesso. O programa congelou em 2017. Nenhuma farmácia entrou mais no programa. E o TCU apontou algumas fraudes. Eu tenho dito, por exemplo, para colocar biometria para dar mais segurança.

Falta vontade política?

Falta. É o único programa que dá acesso a medicamentos às pessoas mais pobres. Mas carece de avanços.

A perspectiva é melhor com o próximo governo?

Já pedimos reunião com a equipe de transição. Podemos avançar em vários outros pontos também. Agora na pandemia começou a prescrição digital, que é importante. Plataformas surgiram, telesaúde, telemedicina… Há uma lei tramitando no Congresso que é boa, mas tem de dar garantias mínimas. Hoje com o sistema que temos, como não há regulamentação, começaram a surgir coisas malucas.

Como quais?

A plataforma digital em que o médico prescreve começou a abrir carrinho dentro do consultório do médico. O que é isso? O médico prescreveu cinco remédios e a pessoa já recebe um SMS com uma proposta de venda dos medicamentos. O médico tá virando vendedor de remédio. E essas plataformas estão indo nas farmácias dizendo que têm receitas e estão cobrando por elas.

Criou-se um intermediário de receitas?

E o cidadão fica à mercê. A receita é dele. Ele é livre. Está virando terra sem lei. É preciso regulamentar. Infelizmente estamos na época do ‘passa a boiada’. Tem de se respeitar o direito de escolha do consumidor.

Como estão as vendas on-line?

Impressionantemente altas. Começou na pandemia e continua. Em algumas redes beira 18% das vendas. Era traço.

Temos uma ineficiência logística no setor de farmácia

O desempenho do setor, no geral, vai continuar nos próximos anos?

Continua. O País está envelhecendo. E outra coisa: se pegar cinco atrás, todo crescimento vinha de produtos de higiene e beleza. Agora o maior crescimento está nos medicamentos isentos de prescrição, que cresceram 20% de janeiro a setembro. Os não medicamentos — tinturas, protetor solar, desodorante —, 13%. Há ainda crescimento do remédio de uso contínuo, para coração, hipertensão colesterol, artrose. A gente vem de uma cultura em que 54% dos pacientes abandonam o tratamento após seis meses. Com a pandemia, as pessoas estão mais conscientes.

A farmácia virou um ponto de atenção primária?

Cada vez mais a farmácia vai acompanhar a jornada do paciente e oferecer produtos adicionais. Estamos investindo muito em vacina. Passamos a aplicar em 2017. Ainda não estamos aplicando a quantidade necessária, mas é um negócio que vai crescer. Teste também. Começou com a Covid-19. Antes a farmácia era autorizada a aplicar um único teste, de glicemia. Só foi possível realizar quase 20 milhões de testes de Covid na farmácia porque houve uma autorização excepcional do Ministério da Saúde.

Vem mais?

Agora estamos em conversa com a Anvisa para regulamentar outros 40 testes, de dengue, chikungunha, colesterol… Aprovado isso, mudamos o perfil epidemiológico no Brasil.

Recentemente houve falta de insumos. Como está agora?

Foi muito grave alguns meses atrás. Os insumos de 95% do que vendemos vêm de fora. Quando a China fechou, não tinha de onde abastecer. Quando montamos sistema próprio, começamos a fazer melhores análises de fornecedores. Tínhamos produtos fornecidos por três fabricantes e fomos buscar em outros três, para não faltar. Essa ampliação foi uma grande chave para nós.

Mas não tem lobby das clínicas para isso não acontecer?

Estamos na briga. Só tem 1 mil clínicas no País que podem aplicar vacina. Na Abrafarma temos 7 mil salas de serviços farmacêuticos. Quando usadas, se tiver um surto de dengue, atuamos muito mais rapidamente. Saberemos onde está e como está se espalhando.

NEWS RELATED

Água Santa e Portuguesa fazem jogo de lanternas de grupos do Paulistão por reação

Vivendo altos e baixos no Campeonato Paulista, a Portuguesa tenta se firmar na briga pela classificação diante do Água Santa, que ainda não venceu na competição. A partida será realizada neste domingo, às 15h, no estádio Distrital do Inamar, em Diadema, pela quinta rodada. A Portuguesa iniciou a rodada na ...

View more: Água Santa e Portuguesa fazem jogo de lanternas de grupos do Paulistão por reação

Ivo Lucas diz ter tido "vantagem" em 'A Máscara': "Peço desculpa"

O ator revelou tudo numa conversa com Fátima Lopes. Ivo Lucas foi a personagem ‘Viking’, no programa da SIC ‘A Máscara’. O ator, à conversa com Fátima Lopes, revelou agora ter tido uma “vantagem” em relação aos restantes concorrentes. “Era um calor infernal… Hoje posso dizer isto: a minha máscara ...

View more: Ivo Lucas diz ter tido "vantagem" em 'A Máscara': "Peço desculpa"

Scholz vai voltar a falar com Putin: "É necessário falarmos uns com os outros""

O chanceler alemão não permitirá uma escalada que conduza a uma guerra entre a Rússia e a NATO, garantindo que este é um ponto sobre o qual existe consenso no seu governo. Scholz vai voltar a falar com Putin: “É necessário falarmos uns com os outros”” O chanceler alemão Olaf ...

View more: Scholz vai voltar a falar com Putin: "É necessário falarmos uns com os outros""

Precisa de abastecer? Não se esqueça que preços sobem amanhã

Tanto o gasóleo como a gasolina vão ficar mais caros. Os preços dos combustíveis vão voltar a ficar mais caros já na segunda-feira. O gasóleo deverá aumentar 1,5 cêntimos, enquanto a gasolina deverá encarecer 3,5 cêntimos, adiantou fonte do setor ao Notícias ao Minuto no final da semana passada, tendo em ...

View more: Precisa de abastecer? Não se esqueça que preços sobem amanhã

CVM abre dois inquéritos para investigar Americanas

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) instaurou dois inquéritos administrativos relacionados ao caso da Americanas. Em deles apura o possível uso de informação privilegiada. O outro vai averiguar eventuais irregularidades envolvendo a descoberta de “inconsistências contábeis” no valor de R$ 20 bilhões. O rombo foi comunicado no último dia 11 ...

View more: CVM abre dois inquéritos para investigar Americanas

André Ventura reeleito líder do Chega com 98,3%

© Fornecido por ECO – Economia Online André Ventura, candidato único à liderança do Chega, foi hoje reeleito presidente da direção do partido com 98,3% dos votos, anunciou o presidente da Mesa da V Convenção Nacional, Jorge Galveias. “O professor doutor André Ventura foi eleito com 98,3% dos votos”, ...

View more: André Ventura reeleito líder do Chega com 98,3%

Processos que envolvem Governo e autarquias minam relação com os cidadãos

As investigações judiciais envolvendo o Governo e autarquias reveladas nas últimas semanas contribuem para piorar a já “difícil relação dos cidadãos com as estruturas políticas em geral”, o que é prejudicial para a democracia, disse à Lusa uma investigadora. As investigações judiciais envolvendo o Governo e autarquias reveladas nas últimas ...

View more: Processos que envolvem Governo e autarquias minam relação com os cidadãos

O preço elevado dos ovos já lhe deu vontade de criar galinhas? Atenção: isso traz alguns riscos para a saúde

O preço elevado dos ovos já lhe deu vontade de criar galinhas? Atenção: isso traz alguns riscos para a saúde Antes de decidir começar a construir o seu galinheiro, os especialistas em saúde têm um aviso: cuidar de galinhas no quintal não é tão fácil como trazer para casa ...

View more: O preço elevado dos ovos já lhe deu vontade de criar galinhas? Atenção: isso traz alguns riscos para a saúde

Como uma investigação internacional descobriu milhões dos Emirados para Nicolas Sarkozy

Oficial: Esteve no Qatar ao serviço da Costa Rica e reforça o Gil Vicente

Erdogan defende legalidade em concorrer a novo mandato na Turquia

Instalações militares no Irão alvo de ataque de drones

Homem "ameaçava de morte" a companheira. Agora, fica em prisão preventiva

Juíza condena Palmares a pagar R$ 50 mil a pesquisador por fala de Sérgio Camargo

Pelo menos 10 crianças morreram afogadas no Paquistão durante viagem escolar

Mais de 50 mortos em acidentes no Paquistão

F1: Red Bull rompe com parceiro após 15 anos e mudará de roupa

"Tivemos sorte". Como o inverno mais quente pode ter ajudado a Zona Euro a evitar a recessão

Covid-19. Primeira SMS a convocar para vacinação foi enviada há dois anos

A sanduíche de bacalhau crocante que vai deixar todos com 'água na boca'

OTHER NEWS